Seja bem-vindo ao Ana de Armas Brasil, sua primeira, maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz Ana de Armas. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu acima e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Esperamos que goste e volte sempre!
Ana de Armas concede entrevista à Flaunt Magazine
postado por Ana de Armas Brasil

Poucas semanas antes do lançamento do novo filme de James Bond, em março, Ana de Armas e seus colegas de Bond estavam se preparando para a grande estreia do filme no grandioso Royal Albert Hall, em Londres. Uma celebração maior do que o normal foi planejada: afinal, este era o 25ª filme de Bond e a despedida Daniel Craig de um papel que interpretou nos últimos 14 anos.

Claro, a estreia não aconteceu. No Time to Die foi uma das primeiras vítimas cinematográficas da pandemia, tendo seu lançamento adiado para novembro* após o COVID trazer o caos ao mundo. Agora, a poucas semanas de sua nova data de lançamento, de Armas está emocionada pois finalmente é hora de revelar o Bond 25 para o mundo.

[*O filme foi novamente adiado – sua nova data de lançamento é Abril de 2021]

“Sinto que estou falando sobre Bond há muito tempo!” de Armas sorri, lembrando-se da primeira rodada de entrevistas que deu sobre seu futuro papel como a agente da CIA Paloma, quase dezoito meses atrás. “Faz muito tempo, mas finalmente, os cinemas estão começando a reabrir e o mundo pode finalmente ver isso. Estou ansiosa pelo momento e realmente espero que também tenhamos a chance de comemorar depois de todo o trabalho duro”, diz ela, inclinando-se para a webcam, cruzando o indicador e o dedo médio nas duas mãos.

Depois de um ano de tantos imprevistos, é necessário cruzar os dedos: de Armas admite que, com tantas restrições devido à pandemia ainda em vigor, ela não tem certeza se o elenco terá a chance de prestigiar o lançamento do filme neste outono. “Ainda não sei se vou ver meus colegas de elenco ou se vamos comemorar juntos finalmente. É o último filme de Daniel e isso é um grande negócio – tem sido muito emocionante para todos. Eu ainda nem sei se vamos poder ficar juntos”, ela dá de ombros.

O elenco e a equipe certamente merecem uma comemoração: é difícil lembrar um filme nos 58 anos de história de Bond, repleto de tantos desafios iniciais quanto No Time to Die. Primeiro, o diretor de “Jane Eyre”, Carey Fukunaga, foi contratado para liderar o projeto após a saída do vencedor do Oscar por “Quem Quer Ser Um Milionário”, o diretor Danny Boyle saiu alegando “diferenças criativas”. Em seguida, surgiram relatos de uma equipe de roteiristas rotativa, com Phoebe Waller-Bridge, de Killing Eve e Fleabag, eventualmente trazida para “polir” e “apimentar” o roteiro. Houve vários percalços no set também, sendo o mais notável quando Craig precisou de uma cirurgia após um acidente durante as filmagens.

Uma das últimas ocasiões em que De Armas viu Craig antes da quarentena foi no Golden Globe Awards, onde a dupla apresentou um prêmio juntos. De Armas também recebeu sua primeira indicação no evento por seu papel decisivo como Marta Cabrera em 2019 no sucesso Knives Out – um papel que ela estrelou ao lado de Craig. Contracenando com um elenco experiente, incluindo Jamie Lee Curtis, Christopher Plummer e Chris Evans, de Armas foi escolhida para receber elogios no espirituoso e inteligente trabalho de Rian Johnson. A revista Empire disse que a performance de de Armas foi “excelente”, enquanto o The Guardian disse que foi “impressionante”. O Times deu um passo além e disse: “o desempenho de destaque do filme vem de seu membro menos conhecido, a cubana Ana de Armas”.

“As coisas poderiam ter sido muito diferentes”, sorri de Armas, 32, enquanto senta relaxada em seu sofá em uma sala grande e iluminada cercada por estantes de livros. Ela explica que quando o primeiro convite para uma audição de Knives Out chegou, ela recebeu apenas uma descrição de três palavras de sua personagem: “Latina, cuidadora, bonita.” De Armas não ficou nada impressionada. “Eu realmente presto atenção no que essa pequena descrição é”, diz ela, quando um esboço inicial do personagem vem de um diretor. “Tenho certeza de que quem fez isso não estava pensando sobre o que significava, mas para mim, eu estava tipo,‘ Oh não, eu não vou fazer isso. O que você quer dizer – cuidadora, latina, bonita?”.

Desde seus primeiros dias como uma jovem atriz adolescente em Cuba, de Armas estava bem acostumada a receber papéis latinos estereotipados, onde os personagens muitas vezes compartilhavam características deprimentemente semelhantes. De Armas achava que Marta seria apenas mais uma latina como enfermeira, cuidadora, esposa, mãe ou namorada – bonita, fogosa ou tempestuosa eram outros rótulos frequentes.

“Tenho muito orgulho de ser cubana e latina e vou interpretar a mais latina que qualquer latina já interpretou como latina”, ela sorri, antes de rapidamente ficar séria. “Mas também não me interessa muito, o tempo todo. Fica muito chato muito rápido e eu quero fazer outras coisas… e mesmo se você estiver interpretando uma latina, nem todas as latinas são iguais… Eu quero pensar e acreditar que posso interpretar qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo porque as histórias que quero contar são universais. Eu quero ser capaz de contar qualquer história.”

Quando o convite de audição para Blade Runner 2049 pousou em sua mesa, experiências anteriores com o casting a deixaram convencida de que não conseguiria o papel. De Armas diz que os diretores de elenco raramente conseguiam ver além de seu local de nascimento ou sotaque. “Fiquei apavorada”, ela admite, relembrando o longo processo de audição que passou. “Eu fiz o teste três vezes e tinha certeza que não conseguiria. Eu estava 100% convencido de fato. Chorei em casa esperando a resposta porque sabia que seria um ‘não’. Seria um não porque eu não era americana, porque era cubana, por causa do meu sotaque, porque não era loira. Eu estava convencido de que não era o que eles procuravam”.

Quando a ligação do diretor Denis Villeneuve finalmente chegou oferecendo-lhe o papel, ela pensou que uma mudança na indústria poderia finalmente estar a caminho. “Percebi quando ele ligou que às vezes a diferença é o que eles estão procurando e, quando isso acontecer, você tem que apenas agarrar a oportunidade e aproveitar ao máximo e mover a agulha um pouco mais. Claro, eu entendo que ainda não acontece com todo mundo o tempo todo: ainda é muito desafiador para as mulheres em geral conseguirem um bom papel, quase não existem bons papéis para mulheres, para personagens latinas, ainda são tão difíceis de encontrar”, diz de Armas, sua frustração é palpável.

“Acho que precisamos buscar [papéis melhores]… Acho que escritores, diretores e produtores e todas as pessoas que tomam essas decisões e criam essas histórias… estão percebendo como as coisas são mais ricas quando representamos o mundo do jeito que realmente é.”

Quando conseguiu a descrição inicial e redutora de Marta em Knives Out, ela já estava no meio das filmagens do filme Sergio, da Netflix, na Tailândia. “Para eu parar de fazer tudo para gravar uma fita de audição e me preparar para isso, bem… tem que ser muito bom.” Não convencida com o “Latina, cuidadora, bonita”, ela pediu mais informações. O que finalmente caiu foi uma surpresa agradável e, como ocorreu com Blade Runner 2049, convenceu-a de que ainda mais mudanças estavam a caminho. Marta era uma “personagem tridimensional e real”, diz de Armas, e uma que rompeu os estereótipos existentes sobre as latinas.

“Minha personagem era um diamante”, sorri de Armas, lembrando o momento em que leu suas páginas com carinho. “Quando eles enviaram o roteiro inteiro e eu li a coisa toda, percebi ‘oh meu Deus, eu tenho que fazer isso’”, diz ela sobre o roteiro “incrível” de Johnson. Outro fator discutido veio na forma como o diálogo sutilmente interrogou as políticas de imigração do presidente Trump por meio do tratamento dado a Marta. “Foi uma ótima abordagem sobre esse assunto”, diz de Armas, “Johnson é um gênio. Às vezes, o humor… fica melhor com as pessoas e as pessoas são mais abertas, ressoa mais quando [a mensagem] é direta. Acho que, neste caso, foi uma coisa muito inteligente a se fazer.”

O primeiro dia de filmagem de Knives Out foi uma experiência estressante, diz de Armas, impressionada pelo elenco ilustre. “Imagine como me senti!” ela diz, descrevendo seu primeiro dia no set. “Eu estava muito nervosa, estava apavorada”, enfatiza ela, fazendo uma pausa. “Eu sabia que tinha muito trabalho pela frente… você está trabalhando com essas pessoas que você assistiu na tela por tantos anos, minha vida inteira, e você não sabe como eles são. Você não sabe como eles gostam de trabalhar… o quanto você pode se aproximar… quais são os seus limites. E então minhas próprias inseguranças como atriz – meu inglês, meu sotaque. Tudo estava me deixando muito nervosa no início.”

A menção à indicação ao Globo de Ouro por sua atuação a faz ficar vermelha e uma expressão de descrença ainda cruza seu rosto. Apesar de ser apontada como a próxima grande estrela de Hollywood, você tem a sensação de que de Armas ainda não sente que ela pertence, talvez por causa dos obstáculos que teve para chegar aqui, talvez porque ver uma latina em um filme ambientado em Hollywood ainda pareça dolorosamente raro. Ela diz que estava muito feliz por estar no set de Knives Out.

“Foi uma alegria ir lá todos os dias e pelo menos para mim, sentar ao lado de todas essas pessoas no porão daquela casa, ouvir todas as suas histórias e suas vidas, foi incrível. Acho que, ao mesmo tempo, todos nos respeitávamos… todos tinham espaço para ser criativos”. Embora de Armas possa ter se sentido deslocada, as ligações para os testes que continuaram a acumular provaram que ela talvez devesse sentir o contrário.

Uma dessas ligações veio de Andrew Dominik, que convidou de Armas para interpretar uma das figuras mais reconhecidas da história: Marilyn Monroe. Foi ainda mais uma evidência para ela de que o elenco para atrizes latinas estava mudando, mas o processo, ela diz, teve problemas. Embora Dominik a quisesse para o papel, ela teve que passar por uma rodada exaustiva de novas audições até que o “sim” finalmente viesse de todos os envolvidos no processo. Alguns, ela sugere, não estavam inicialmente convencidos de que uma latina poderia interpretar Monroe. “Não vou deixar ninguém nem nada me dizer que não posso sonhar em interpretar Marilyn Monroe”, diz ela sobre papel que mudou sua vida. “As coisas precisam mudar [na indústria], mas você tem que pressionar ativamente por mudanças também… você tem que apresentar sua versão do personagem de uma maneira diferente. Você tem que desafiar.”

E ela desafiou: sua interpretação de Marilyn conquistou a equipe de elenco e recebeu elogios iniciais da amiga Jamie Lee Curtis, que ela conheceu no set de Knives Out. Curtis, que viu a fita de audição de De Armas para Marilyn, ficou surpresa com a transformação – elogio de alguém cujo pai, Tony, estrelou ao lado de Monroe em um de seus filmes mais famosos, Some Like It Hot. “Ela é minha maior líder de torcida”, ri de Armas ao se lembrar da reação de Curtis. “Eu mostrei a ela meu teste de tela para Marilyn e, claro, eu estava com uma peruca aleatória que eles acharam que não cabia em mim, maquiagem e guarda-roupa quaisquer, mas mesmo assim, me vendo no papel ela ficou muito animada.”

Sua preparação para o papel em Blonde (é baseado no romance histórico de Joyce Carol Oates, nomeado para o Pulitzer com o mesmo nome) foi meticulosa e ela repassou fatos sobre Monroe como uma estudante fazendo uma prova. “Foi muito intenso”, diz de Armas sobre a época em que a viu trabalhar com um treinador de diálogo o por um ano e estudar as muitas cartas, memórias e filmes de Monroe. “Havia tanta informação; todo mundo tem uma história sobre Marilyn. Eu nunca tive que me preparar para algo tão específico, interpretar alguém tão conhecido e uma das pessoas mais fotografadas do mundo. Eu olhei em todos os livros, os filmes, as teorias sobre a morte dela e isso me levou uma eternidade. E então, é claro, tive que trabalhar no sotaque, na voz. Deu muito trabalho”.

Vestindo um cardigã azul-claro, blusa branca e calça azul-marinho vintage, De Armas de repente se levanta do sofá em que está sentada e corre para uma porta atrás dela. “Me dê um segundo.” Momentos depois, Elvis, seu adorável cachorro e estrela recorrente de seu feed do Instagram (onde ela tem mais de 3,4 milhões de seguidores) entra animadamente e se junta a de Armas momentaneamente no sofá antes de começar a vagar pela sala. “Ele também é louro!” ela sorri. Elvis interpretará um dos cães de Marilyn, Mafia, que foi dado a ela por Frank Sinatra. “Ele é uma estrela de cinema, é claro”, diz ela, em resposta a uma pergunta sobre como Elvis está lidando com sua fama recém-descoberta. “E ele é Elvis!” ela ri, comparando-o ao famoso homônimo.

De Armas estava prestes a começar a filmar Blonde (com Elvis no elenco) quando recebeu o telefonema do novo diretor de Bond, Cary Fukunaga, oferecendo-lhe um papel em No Time to Die. Foi um choque, ela explica, especialmente quando ele disse que havia concebido um papel com ela especificamente em mente. A dupla já havia trabalhado juntos em outro projeto (que não foi adiante no final), mas ele se lembrou de de Armas e estava convencido de que ela era ideal para o papel. “Foi uma grande surpresa receber um telefonema dele, perguntando se eu queria estar em Bond”, diz de Armas sobre o momento inesperado. “Eu não esperava por isso. Bond tem sido uma coisa tão importante em todas as nossas vidas desde que não me lembro quando, então, ser convidada para fazer parte desse mundo foi muito emocionante.”

Tal como aconteceu com Knives Out, de Armas não aceitou o papel imediatamente, no entanto, lembrando como a descrição original de Fukunaga para o papel potencial era muito vaga. “Quando Cary me chamou por Bond, ele estava me oferecendo o personagem e disse:‘ ela é cubana, borbulhante e engraçada e isso e aquilo ’, mas ele não tinha nada concreto naquele momento. Estava tudo em sua cabeça. Ele ainda estava criando essa personagem e eu estava muito animado, mas disse a ele: ‘Cary, não posso dizer sim antes de ler! Mesmo que eu queira trabalhar com você, queira estar no Bond, queira trabalhar com Daniel novamente, quero todas essas coisas, mas tenho que ler o roteiro!’”

Na era #TimesUp, talvez não seja de se admirar que houvesse algum cuidado. Muitos dos personagens tradicionais de ‘Bond Girl’ não envelheceram bem, com papéis muitas vezes caracterizados por uma mistura desconfortável de passividade, objetificação e insinuação misógina. “Eu queria ter certeza no que eu estava me metendo porque… você tem que eventualmente falar sobre isso como estamos agora e você tem que sentir que está de acordo com seus valores, no que você acredita e se você está representando a mulher você quer representar”, afirma de Armas.

“Além disso, em algum momento você tem que interpretar papéis que são exatamente o oposto de você”, ela continua, “e isso é enriquecedor e emocionante sobre o meu trabalho também, mas… Eu queria realmente entender que tipo de mulher eu estava interpretando. Tento fazer isso com todos os trabalhos. Tento ler, entender e se há algo que não me agrada, tento pelo menos falar sobre isso e entender de onde vem isso e por que tem que ser assim.”

Phoebe Waller-Bridge, a escritora ganhadora do Emmy por Fleabag, foi finalmente chamada para trabalhar no roteiro a pedido dos produtores Barbara Broccoli e Craig, que eram fãs de seu trabalho em Fleabag e Killing Eve. Waller-Bridge será apenas a segunda escritora na história do filme (depois de Johanna Harwood, que trabalhou em Dr No e From Russia With Love) a receber crédito de escritora. “Ter uma voz feminina como a de Phoebe também foi muito interessante”, diz de Armas, depois que ela finalmente viu suas páginas do roteiro. “Foi um grande ímã para eu me envolver no projeto … Phoebe tem um ótimo senso de humor.”

De Armas se anima falando sobre sua personagem. “Minha personagem no filme é muito excitante e diferente e acho que ela apimenta as coisas. Ela é muito engraçada à sua maneira”, revela de Armas, dizendo que o humor da marca registrada de Waller-Bridge ficou evidente quando ela leu as falas de sua personagem. “É realmente emocionante fazer parte de Bond. Acho que você verá que, sem se afastar do que é uma Bond girl, você verá uma diferença no sentido de ver essa mulher como um indivíduo, em vez de apenas alguém que está lá para fazer o herói parecer bom… ela não está lá para servi-lo… ela está lá para ajudá-lo a realizar algo. Ela é sua própria pessoa. Ela é engraçada, ela é inteligente, ela tem suas próprias ideias. Ela é uma parceira em vez daquela que precisa ser salva.”

Depois de aceitar o papel, o que se seguiu foi um período caótico de tentar equilibrar o trabalho final de Blonde com o início do trabalho em de No Time to Die, os dois projetos se sobrepondo. “Eu estava me preparando para Blonde e então recebi a oferta de James Bond. Eu tive que colocar tudo isso em pausa e sair do mundo Marilyn e me preparar para Bond, com toda sua ação, enquanto também tentava trazer a cubana que eu sou de volta.” Durante a maior parte do ano, de Armas mergulhou no papel de “tanto Marilyn quanto Norma Jean”, como ela diz, o lado público e privado da estrela falecida muitas vezes se sentindo como entidades separadas. Para complicar as coisas, depois de aceitar Bond, ela percebeu que tinha apenas algumas semanas antes de as filmagens começarem no Reino Unido, no Pinewood Studios. “Desde o momento em que fui a Londres para começar a filmar, acho que tive talvez três semanas antes das filmagens, então não muito tempo, não no sentido de me preparar para as cenas e o diálogo e tudo isso, mas a parte física também. Eu nunca fiz um filme de ação antes; três semanas não foi nada.”

A intensidade do treinamento foi um choque? Ela acena comicamente. “Para mim”, diz ela, apontando zombeteiramente para si mesma com um sorriso malicioso, “em comparação com o que Lashana [Lynch, que dizem estar assumindo o papel de 007 quando Craig partir] teve que fazer no filme, por exemplo, foi nada”, ela explica. “Mas eu fui de zero a cem muito rapidamente com todo o treinamento de ação.”

Quando ela finalmente chegou ao set, sua estada foi curta. Poucos dias depois de chegar, a notícia da lesão de Craig se espalhou e ela foi dispensada. “Daniel se machucou e eles tiveram que filmar outras coisas no filme sem ele porque ele ia fazer uma cirurgia e tudo mais. Acabei tendo três meses de folga e só tive que esperar que eles me ligassem novamente. Voltei a filmar Marilyn.”

Para ajudá-la no caos, de Armas sem dúvida se valeu de seus primeiros dias filmando e estudando em Cuba, onde foi uma hábil multitarefa desde pouca idade. Ela se matriculou na escola de teatro aos 13 anos, fez seu primeiro filme enquanto ainda estudava aos 16 e, aos 18, conseguiu um papel principal no sucesso adolescente espanhol El Internado.

“Quando você passa por fases quando criança, ‘Eu vou ser veterinário, advogado, médico, professor’, tudo isso, eu não me lembro [de querer fazer] mais nada quando comecei a pensar seriamente sobre o que eu queria fazer que não fosse atuar”, lembra de Armas. “Não me lembro de sentir que queria fazer outra coisa … desde os 11 ou 12 anos, comecei a enlouquecer meus pais, repetindo repetidamente quero ser atriz, quero ser atriz.” Depois de quatro anos na escola de teatro, de Armas tinha um bom conhecimento da indústria graças ao fato de ela trabalhar e estudar ao mesmo tempo, aprendendo a equilibrar vários projetos desde o meio da adolescência.

“Eu estava realmente adiantando muitas coisas porque para mim, o set era a escola real. Eu ia ao set todos os dias, ia aprendendo o que era ouvir um diretor, trabalhar com outras pessoas, aprender minhas falas, aprender a responsabilidade de chegar na hora, tudo… depois de fazer meu primeiro filme, aos 16 anos, eu só queria fazer mais e mais.”

Aos 18 anos, ela se mudou para Madrid e logo depois de sua chegada recebeu uma oferta no já citado drama adolescente El Internado. Graças aos avós espanhóis, de Armas pôde deixar Cuba com passaporte espanhol e mudou-se para Madrid assim que as aulas terminaram. “Eu estava muito determinado e disse aos meus pais que assim que fizesse 18 anos, vou usar meu passaporte espanhol que estava na gaveta há 18 anos e vou embora. Eu me sinto tão sortuda por eles apenas me deixarem fazer minhas coisas e confiar em mim.” O que foi uma surpresa, no entanto, foi como logo o papel a transformou em um nome familiar na Espanha.

“Foi uma grande mudança para mim”, de Armas lembra o choque cultural que veio com a mudança de Havana para Madrid. “De repente, quase da noite para o dia me tornar tão famoso na Espanha e ser reconhecido na rua e todo mundo querendo uma foto com você e coisas assim, foi surreal.”

Depois de seis temporadas no programa de televisão e saudades de casa, De Armas estava voltando cada vez mais a Cuba. “Cada pequeno tempo de folga que eu tinha na série, eu voltava e voltava. A vida é tão diferente lá que acho que foi o que realmente me manteve centrada e conectada a isso”, diz ela sobre como encontrou a calma em meio ao caos que a fama trouxe. “Meu povo e minha família e o que eu chamo de vida real… eu senti falta disso.”

A saudade de casa coincidiu com o desejo dela também de mudar de papel. Ela havia se tornado estereotipada em um papel de adolescente, a ponto de os diretores apenas considerá-la para papéis mais jovens. “Eu me senti preso. Senti que não estava inspirado por nada que estava acontecendo ao meu redor e senti que o que eu realmente queria fazer, não era capaz de conseguir. Parecia que era hora de mudar.”

Ela decidiu se mudar para LA, onde começou a aprender inglês. Frequentando as aulas por quatro meses, de Armas estava determinada a ainda fazer testes para papéis, embora seus agentes estivessem preocupados com o fato de que ela estava longe de ser fluente neste momento. Ela insistiu, no entanto, aprendendo falas foneticamente e assistindo a audições com a maior frequência possível.

“Eu estava tipo,‘Não! Mande-me papéis agora!”, Diz ela, imitando algumas das conversas difíceis que teve com seus agentes na época. “Houve muitos ‘nãos’ no início, mas isso só me fez preparar mais, me fez continuar aprendendo a língua. Eu não entendia todas as expressões idiomáticas, a gíria, a maneira como você deveria dizer as coisas, mas não importava. Eu estava lá e se as pessoas virem você fazendo um bom trabalho, talvez se lembrem disso… Eu quero estar na sala com o diretor. Eu quero estar na sala fazendo algo, mesmo se eu não entender, está tudo bem. Acho que sempre faz sentido e é pior não ser chamado. Prefiro pelo menos ir lá e dizer ‘oi’!”

Sua determinação valeu a pena e uma enxurrada de papéis se seguiu depois que ela foi de fato vista naqueles primeiros elencos. Ela apareceu em papéis iniciais ao lado de Robert De Niro (Mãos de Pedra) e Keanu Reeves (Exposed, Knock Knock) com Blade Runner 2049 vindo logo depois. Além de Blonde e No Time to Die, de Armas pode ser visto em Wasp Network ao lado de Penelope Cruz, e The Night Clerk com Helen Hunt, ambos lançados recentemente por streaming. No horizonte está Deep Water com Ben Affleck, seu quinto filme a ser lançado este ano.

Antes da quarentena, ela não tinha parado desde que chegou em LA. Após o término das filmagens de Blonde, de Armas recebeu o telefonema para retornar a Bond mais uma vez. “Foi uma espécie de bagunça na minha cabeça”, ela ri, explicando como passou de Marilyn a Paloma no espaço de apenas três dias. “A segunda vez que tive que voltar para filmar Bond, terminei as filmagens de Blonde na sexta-feira e comecei a filmar No Time to Die na segunda. Foi meio estranho. Acho que na minha primeira cena de Bond naquela segunda-feira, comecei a sussurrar e falar como Marilyn quando falei minha primeira fala. Cary estava tipo, ‘woah-woah-woah! Espere um segundo, o que está acontecendo? Quem é você?’” Ela ri. “Sinto muito, isso é muito estranho para mim também”, disse ela a Fukunaga. A luta para se separar de um personagem em que mergulhou por mais de um ano, também foi, ela pensa, parte do nervosismo por entrar no set de uma das franquias mais famosas do mundo – e seu maior set até agora.

“É o maior filme de que já fiz parte. É uma abordagem muito diferente em todos os sentidos, um grande senso de responsabilidade também.” Seus nervos estavam acalmados, diz ela, tendo trabalhado com Craig anteriormente. “Fiquei muito feliz por ele estar lá, com todo o nervosismo e pressão de ir fazer o filme… É sempre muito estranho no primeiro dia de um filme quando você chega lá e é tudo novo. [Com Bond] há uma equipe que já fez filmes de Bond antes, então todos se conhecem – de repente eu sou o novo!”

“Ter o Daniel ao meu lado depois do Knives Out foi um grande apoio. Também foi muito engraçado porque me lembro que em Knives Out, ele fazia comentários sobre já estar treinando para Bond naquela época. Naquela época, eu não tinha ideia, é claro, que acabaria filmando com ele no mesmo projeto. Era uma loucura olhar para trás. Foi muito bom filmar com ele novamente e ter aquela química e relacionamento realmente ajudou a dinâmica entre os dois personagens. Ele é um ator incrível, bem-humorado e muito profissional também.”

A quarentena trouxe um descanso forçado e uma calma muito necessários em Los Angeles, embora ela esteja desesperada para ver sua família e sua casa em Cuba. “Tem sido tão difícil não vê-los”, diz ela sobre sua família, de quem ela diz sentir muita falta. LA ela explica, não é um lugar onde ela queira ficar para sempre. “É muito, ou talvez seja só porque sinto muita falta de Cuba ou algo assim. É uma experiência diferente para mim estar em LA.” Com a fama, é claro, vem a exposição e está claro que de Armas é alguém que anseia por privacidade longe da tela: na verdade, ela é alguém que preferia que a fama não fosse o resultado de seu trabalho diário.

“É engraçado como atriz porque você faz o que faz e não pensa nas consequências do seu trabalho e, de repente, você está no centro das atenções e percebe ‘Oh, isso não é o que eu queria!’ Fama para mim, não é a coisa mais empolgante do meu trabalho, nunca foi, de jeito nenhum. É apenas uma consequência do meu trabalho.” Ela compara com sua preparação para Blonde. “Toda aquela fama e exposição também foi o pior pesadelo de Marilyn e cresceu em mim muita empatia por ela e pelo que ela estava passando. Foi um período muito intenso para ela.”

É por isso que, quando ela não está com sua família ou entes queridos, ela gosta de pesquisar a próxima parte, mantendo-se ocupada, lendo e procurando a próxima história para contar – algo que a acalme. No momento, ela ouviu falar sobre a sequência de rumores de Knives Out e espera receber uma ligação para retornar “Espero que esta seja uma daquelas surpresas que 2021 trará para mim, uma ligação de Rian!”. Ou, se não, para a pessoa certa.

“Tenho lido e tentado descobrir o que vem a seguir. Eu acho que é meio estranho. Estamos todos vivendo nesta situação estranha e as circunstâncias são tão novas e todos estão tentando descobrir o que fazer… isso tirou um pouco da pressão do que está por vir, porque não há nada próximo agora.” Ela vai continuar descansando um pouco? “Não, não, já terminei de descansar!” ela diz. Há outro motivo pelo qual ela não consegue descansar, diz ela, o lançamento de No Time To Die. “A expectativa de algo assim me deixa nervosa… Mal posso esperar!” Nem nós.

Fonte | Tradução: Equipe Ana de Armas Brasil

dg dg dg dg

SCANS > 2020 > FLAUNT MAGAZINE

dg dg dg dg

PHOTOSHOOTS > 2020 > FLAUNT MAGAZINE

Lançamento de “No Time To Die” é novamente adiado
postado por Ana de Armas Brasil

Pela segunda vez esse ano (graças a pandemia que nos encontramos no momento), o lançamento de “No Time To Die”, um dos mais recentes projetos de Ana, foi adiado.

A conta oficial do filme publicou um pronunciamento oficial em sua conta no twitter, avisando que o filme agora será lançando no dia 02 de abril de 2021.

Ainda não temos nenhuma informação sobre a data de lançamento no Brasil. Fiquem ligados no ADABR para mais informações.

VOGUE: Ana de Armas revela detalhes sobre sua parceria com a “Only Natural Diamonds”
postado por Ana de Armas Brasil

Para dar continuação na divulgação de sua parceria com a marca de luxo Only Natural Diamonds, Ana de Armas concedeu uma entrevista à revista Vogue para falar mais detalhes de sua parceria com a mesma. Durante o bate-papo, a atriz revela o por quê de ter escolhido trabalhar com a marca, sobre seu trabalho em 007: No Time To Die e muito mais. Leiam a entrevista completa traduzida abaixo:

No vídeo teaser de sua nova parceria com a Only Natural Diamonds, a atriz Ana de Armas é vista correndo em uma praia em um pôr do sol, aproveitando uma refeição e olhando melancolicamente para o mar, tudo isso enquanto usa uma das joias mais lindas conhecidas pelo homem. Isto é, pra dizer francamente, na visão da estrela de cinema, como todos nós imaginamos a nossa outra metade passando seus verões. Como a maioria de nós, no entanto, a atual situação de de Armas é um pouco mais prosaico e certamente não é como ela se imaginava nessa altura do ano. Quando nós nos conectamos via Zoom para falar sobre essa nova parceria, de Armas está usando um confortável suéter azul, seu cenário é um quarto em uma casa alugada na Irlanda, onde ela está enquanto seu parceiro, Ben Affleck, filma o novo filme de Ridley Scott, “The Last Duel”.

Para de Armas, a oportunidade de vestir as mais lindas roupas e joias seria um dia comum de trabalho, mas agora é algo que ela sente muita falta. “Obviamente uma grande parte do meu trabalho é frequentar festivais, premieres de filmes e photoshoots e esses momentos em que você usa aqueles lindos vestidos são muito divertidos”, diz de Armas. “Mas eu acho que você também tem que aproveitar o fato de que é um pouco de descanso. Às vezes você passa o ano inteiro indo de um lugar pro outro e acaba sentindo falta de chinelos e calças de moletom”. É certamente verdade para de Armas, que passou os últimos anos crescendo nos rankings de Hollywood e se tornou um dos maiores jovens talentos da indústria. A atriz tem 4 filmes como protagonista somente esse ano, sem contar sua brilhante subestimada, nomeada ao Globo de Ouro , com sua performance como a enfermeira Marta no sucesso de bilheteria “Knives Out”. “Eu não sou a pessoa mais paciente, então fazer uma pausa é novidade pra mim”, ela adiciona.

Sua próxima performance, no entanto, como a agente da CIA Paloma, no filme “007: No Time To Die” parece ser a mais ansiada até o momento. E com os glamurosos trailers divulgados até agora, parece que a personagem de Ana não poderia estar mais distante dos cardigãs e suéteres de sua performance aclamada em “Knives Out”. “Claro que nos filmes de Bond glamour é essencial”, ela diz. “Mas eu realmente não quero que Paloma seja definida somente pelo o que ela veste, como uma garota de vestido e salto alto, isso é apenas uma parte de quem ela é”. Como todos os filmes de Bond, detalhes estão sendo mantidos muito em sigilo, mas os trailers divulgados mostraram de Armas em um bar de Santiago antes de mostrar um par de armas e lutar contra os caras maus no estilo clássico de uma estrela de Bond.

“Ela é uma agente da CIA de Cuba e está usando esse vestido e esses diamantes porque ela está em uma missão em que ela precisa se disfarçar, então tudo está lá por uma razão”, ela continua, antes de adicionar, com uma risada: “Acredite em mim, eu não queria estar no frio de Londres com aquele vestido e de salto alto!”. Ainda assim, de Armas enfatiza o quão central é a colaboração dela com os designers para a construção de um personagem. “Eu acho que a construção do guarda roupa é uma das minhas partes favoritas do processo”, ela nota. “Assim como qualquer pessoa, um personagem te diz muito sobre a história dele e realmente dá muitas informações dependendo do que ele usa. Quero dizer, as vezes pode não agradar nosso gosto pessoal mas você tem que se doar para fazer o que é melhor para o personagem”.

Enquanto diamantes desempenham um papel central no olhar misterioso de Paloma, apesar de sua parceria com a Natural Diamond Council, de Armas espera trazer uma atmosfera mais século XXI para o glamoroso conceito tradicional de Bond Girl. É quando falamos sobre o trabalho da NDC em tornar a indústria de diamantes mais transparente e eticamente responsável que de Armas fica mais animada. “Faz você se sentir bem quando você compra um diamante sabendo que ele foi obtido de uma maneira que respeitou a vida dos trabalhadores e suas conduções de trabalho”, diz ela. “Me pareceu certo trabalhar com uma companhia que tem valores que eu respeito e acredito”.

Ela explica que essas prioridades foram óbvias em todos os estágios de sua carreira e de sua vida. “Eu acho que as crenças da minha geração mudaram de alguma forma”, ela diz. “Eu não acho que sou distinta por acreditar firmemente na sustentabilidade, nos direitos humanos, na valorização das comunidades e por me assegurar de que as pessoas não estão sendo exploradas por multinacionais e coisas assim”. Ainda assim, é com plataformas como a dela que empresas são encorajadas a seguirem na direção correta, algo que de Armas tem total consciência.

Então, seja usando joias como um elemento para dar vida a seus personagens ou pra adicionar um brilho a suas escolhas nos tapetes vermelhos, para de Armas o apelo nacional é explicado de maneira simples. “Quando a Natural Diamond Council me procurou com a campanha o foco deles não estava apenas no glamour e na beleza dos diamantes, mas também no que um diamante representa”, ela diz. “Não é apenas algo físico. É sobre as conexões, memórias e relacionamentos formados por meio deles”. Para de Armas, como alguém de uma famosa franquia de filmes já dizia, diamantes são eternos*.

Fonte | Tradução: Equipe Ana de Armas Brasil

Ana concede entrevista à Only Natural Diamonds
postado por Ana de Armas Brasil

Conhecida por seu papel de destaque em “Entre Facas e Segredos”, a atriz Ana de Armas é uma superestrela em ascensão em Hollywood. Como nova embaixadora da Only Natural Diamonds, de Armas viajou até Portugal para gravar essa campanha e aprender sobre o mundo dos diamantes naturais de modo geral. Aqui ela fala francamente sobre suas viagens, momentos favoritos, sua crença em um futuro sustentável para a indústria e, naturalmente, seu amor por diamantes.

O que nessa campanha intrigou você? O que fez você aceitar e querer ser o novo rosto da Only Natural Diamonds?
Eu fui conquistada pelo fato de que a NDC defende um conjunto de padrões étnicos e trabalha com grupos locais para assegurar a segurança e o bem estar das comunidades em volta das minas de diamantes. Eu também realmente amei o quanto eles apoiam as mulheres dessas comunidades. Os diamantes naturais são lindíssimos. Eu estou lisonjeada por estar trabalhando com a NDC nessa campanha incrível e por apoia-los em seu ótimo trabalho em todo o mundo.

Quais foram os elementos mais agradáveis em trabalhar nessa campanha? Você tem alguma história divertida ou algum momento em particular e memórias?
Definitivamente, foi diferente trabalhar nessa campanha durante uma pandemia. Ter a oportunidade de viajar (em segurança e com todas as precauções) para uma cidade tão linda foi incrível. As pessoas da costa de Portugal foram muito acolhedoras e gentis e as praias eram como pinturas. Enquanto filmávamos, eu amei o estilo moderno de todos os diamantes, cada peça era muito original e linda.

Como você usa joias de diamante? Você as usa fora de contextos formais? Fale um pouco sobre.
Todos os momentos devem ser valorizados. Usar diamantes me faz sentir mais confiante e linda. Eles me lembram de que há muitas coisas belas no mundo e que eu devo aprecia-las e apreciar e ser grata por tudo o que tenho. Eu não sei quais são as regras mas eu acredito que você pode fazer você mesmo e sua vida serem o mais valorizadas e importantes possível, tem muitas coisas na minha vida que eu amo, amigos, família e a própria vida. E se você tiver a sorte de ter um diamante, seja comprado ou um presente, ele pode te lembrar da beleza natural do mundo e dos presentes da vida.

O que mais te agrada em relação à sustentabilidade no setor dos diamantes?
Trabalhando com a NDC eu aprendi que a indústria dos diamantes faz muitas boas ações, trabalhando em construir comunidades fortes em todo o mundo. Eu fiquei impressionadas com as mulheres envolvidas e comandando a indústria. Os membros da NDC fazem muitas coisas maravilhosas para apoiar e empoderar essas mulheres. Em muitas dessas comunidades, situadas nos lugares mais remotos da terra, a mineração de diamantes é uma das principais fonte de emprego. Os membros da NDC trabalham para priorizar e fortalecer essas comunidades ao ajudar a construir estradas, casas, hospitais e escolas. Eles ajudam a educar as pessoas, proporciona habilidades e profissões. Eles também se certificam de proteger reservas locais, a vida selvagem e pequenos agricultores, que são tão importantes para a cultura e economia.

Durante esse processo, que nova informação você aprendeu sobre diamantes naturais? Teve algo que a surpreendeu? Fale sobre.
Eu aprendi que diamantes podem ser encontrados em todo o mundo, no Canadá, na Austrália, na Sibéria, na Botswana, na África do Sul, na Tanzânia e mais. Eles são um recurso global. Eu também aprendi que diamantes foram formados há bilhões de anos. Cada comunidade de onde esses diamantes vêm é essencial para a indústria e devem ser valorizadas tanto quanto cada lindo diamante.

Fonte | Tradução: Equipe Ana de Armas Brasil

“Eu filmava a noite e ia para escola de manhã”, Ana fala sobre o começo de sua carreira com a Vogue
postado por Ana de Armas Brasil

O sucesso de Ana de Armas está apenas começando. Aos 32 anos, ela é uma ‘it girl’ do cinema espanhol e está conquistando Hollywood. Contaremos a você a história da atriz de ascendência cubana e espanhola.

Nomeada e premiada, Ana de Armas dividiu créditos com atores lendários; é a primeira latino-americana a ser uma heroína Bond nos cines, interpretou um ícone da estatura Marilyn Monroe e muitos de seus filmes foram sucesso nas bilheterias e com os críticos, mas esta atriz nasceu em uma ilha árida do Caribe, andou descalça, migrou para outros lugares e nunca deixou de ser ela mesma. Esta é a história dela.

Quem é Ana de Armas?

Ana de Armas é uma atriz que nasceu em Santa Cruz del Norte, Cuba, em 30 de abril de 1988. Filha de pais cubanos e avós espanhóis, ela decidiu, desde muito jovem, que queria se dedicar à atuação.

A jovem de 32 anos de idade deslumbrou em dois continentes. A prova mais recente disto pode ser encontrada na capa da Vogue México e América Latina para sua edição de outubro. Em uma entrevista com José Forteza, a próxima Bond Girl latino-americana conta sobre sua infância, suas origens: “Nasci em Havana, em Cuba, mas meu pai tinha um emprego em uma cidade chamada Santa Cruz del Norte e tivemos que nos mudar para lá. Foi uma infância super livre na costa, sem tempo de ir e vir para minha casa, correndo descalça, nadando no mar. Eu vivia em um prédio que tinha um pequeno parque no meio. Lá eu brinquei com outras crianças, subíamos para os arbustos… Foi assim que foi minha infância. Depois nos mudamos para Havana, para um grande edifício onde viviam centenas de famílias. Foi uma mudança abrupta entrar na agitação do trânsito da cidade. Tive muitas saudades da vida na cidade, as notas na escola baixaram… Mas nessa idade, as pessoa são muito adaptáveis. Fiz novos amigos, os quais ainda tenho um relacionamento desde”, explica a atriz sobre o local onde ela cresceu.

Como você começou sua carreira?

Na mesma conversa, Ana de Armas conta como começou seu interesse em atuar: “Assistia a filmes com meu avô até tarde da noite e sempre ficava na frente do espelho repetindo as cenas que eu tinha acabado de ver.” Quando ela decidiu que atuar era a paixão que a guiaria pelo resto de sua vida, a cubana se matriculou em uma escola de teatro na qual ela conseguiu entrar com um teste de aptidão. “Estudando teatro, aprendi muito. Entretanto, eu sentia uma relação de amor-ódio com a escola, porque eles tinham a regra de que, se você é estudante, não pode trabalhar. Logo após meu primeiro ano como estudante, o diretor espanhol Manuel Gutiérrez de Aragón me deu uma audição para ‘La Rosa de Francia’. Esse foi meu primeiro trabalho profissional e, por causa dessa regra, não me senti apoiada pelos professores. Hoje eu posso entendê-los. Eles preferem que os alunos terminem a escola, para que tenham mais recursos e uma compreensão mais clara do que é a profissão, mas a realidade é que nada pode substituir a experiência de um set de filmagem, um diretor guiando você e profissionais como Jorge Perugorría e Luis Alberto García que são dois atores cubanos que eu amo e que são meus amigos”, diz a atriz.

Mais tarde, Ana de Armas estrelou em ‘El Madrigal’, combinando sua vida profissional com sua carreira escolar. “Eu filmava de noite e ia para a escola de manhã, então eu adormecia na sala de aula, o que era horrível. Passei todo meu trabalho escondendo dos professores que eu estava em outro filme, até que um dia o professor chega e diz: você acha que eu não sei de nada? Você está fazendo outro filme”, ela se lembra desses primeiros anos.

Antes de se formar, a atriz que também tem raízes espanholas teve que decidir entre obter seu diploma e continuar fazendo filmes (o que ela realmente queria fazer). Para a Vogue, ela conta como foi a experiência: “Fui para Madri sozinha, com 300 euros, para viver graças à hospitalidade de um amigo do meu irmão que eu nunca havia conhecido. Desde o primeiro dia comecei a procurar um emprego e, dois meses após a minha chegada, me foi dado o papel em ‘El Internado’”. Essa série durou três anos sem parar, com um compromisso e dedicação total de seu tempo. “Eu estava nas nuvens naquele primeiro ano, mas no terceiro ano eu queria fazer outras coisas. É por isso que sou atriz, quero sempre fazer outros personagens.”

Depois de mais alguns sucessos na televisão e no cinema, incluindo a série ‘Hispania’ e o filme ‘Por un puñado de besos’, Ana de Armas mudou-se para os Estados Unidos em 2014 para tentar sua sorte em Hollywood e continuar a subir a escada de sua carreira profissional.

Os filmes de Ana de Armas em Hollywood

A chegada de Ana de Armas aos Estados Unidos não foi fácil, mas ela se descreve como “persistente”. Sem falar inglês e fazendo cursos intensivos do idioma, os anos seguintes foram marcados por grandes sucessos para a atriz. Seu primeiro filme em Hollywood foi ‘Knock Knock’, em 2015, com Keanu Reeves. Seu primeiro papel principal veio no ano seguinte com ‘Exposed’, ao lado do mesmo ator, e este foi seguido por ‘Hands of Stone’ e ‘War Dogs’. Ela ganhou ainda mais notoriedade com Blade Runner 2049, que lhe rendeu uma indicação ao Saturn Awards.

Em 2019, a atriz cubana teve sua grande chance, e depois de estrelar em ‘Knives Out’ ao lado de Jamie Lee Curtis e Daniel Craig, ela ganhou uma indicação para o Golden Globe de 2020.

Ana de Armas como Bond Girl

Embora ela esteja no meio há vários anos, o sucesso de Ana de Armas está apenas começando. Em 2020 ela se tornará uma Bond girl para estrelar em ‘007: No Time To Die’, a primeira latino-americana a deter esse título. O trailer já foi revelado; a atriz interpretará Paloma, de origem cubana, “sexy, louca, luta de saltos altos”, descreve Ana. É claro que ela tem todo o apelo sedutor para fazer isso, mas há muito mais e ela fala com José Forteza sobre isso desta maneira: “O que mais me importa é representar as mulheres e as personagens femininas de uma forma fortalecedora, realista e não estereotipada. Neste filme do agente 007 eu tenho consciência de prestar maior atenção e ser cuidadosa com o assunto. Esse foi o principal assunto que falei quando conversei com o diretor.”

Marilyn Monroe, o próximo papel de Ana de Armas

Por outro lado, Ana de Armas será Marilyn Monroe em sua próxima biópsia chamada ‘Blonde’, da qual a data de lançamento ainda não está confirmada. A atriz diz: “Acho que tive uma centena de mudanças de roupas, inclusive, de uma época específica, vestidos icônicos e uma pessoa que todo mundo conhece. Eu aproveitei isso como uma criancinha.”

O estilo de Ana de Armas

Glamoroso, sedutor e extremamente feminino, o estilo de Ana de Armas é algo que aplaudimos até o ponto de exaustão em suas aparições públicas nas ruas e tapetes vermelhos. Ela se define como ‘vaidosa’. “Gosto de estar na moda, de ter sempre uma boa aparência, mas de uma forma ponderada e simples”. Obviamente, vestidos de estilistas, como o Ralph & Russo que usava nos Globos de Ouro, ela usa para ocasiões formais, enquanto os informais ela se abastece com jeans e vestidos simples… Em Cuba? A atriz confessa que em sua terra natal ela nunca deixa de usar sandálias.

Fonte | Tradução: Equipe Ana de Armas Brasil

dg dg dg dg

SCANS > 2020 > VOGUE MÉXICO

dg dg dg dg

PHOTOSHOOTS > 2020 > VOGUE MÉXICO

Ana de Armas em: sua rotina de beleza, rituais de cuidados com a pele e porque ela ama uma boa transformação
postado por Carol

Ana de Armas tem o brilho de alguém com grandes filmes em desenvolvimento (No Time to Die, o último da série de James Bond estrelado por Daniel Craig e Deep Water, um thriller no qual ela estrela ao lado de Ben Affleck, ambos estão previstos para lançar em Novembro), um novo cachorrinho (seu nome é Salsa e, diz de Armas, que ela é uma “grande carinhosa”), e prateleiras do banheiro cheias de produtos da La Mer.

A atriz está colaborando com a marca de cuidados com a pele em celebração à nova versão aprimorada de o concentrado, um soro favorito dos fãs com uma proteção antioxidante para ajudar à suavizar e fortalecer as barreiras da pele. É a primeira parceria de beleza de De Armas e – visto que ela “sempre” viaja com um conjunto completo de produtos da La Mer – uma adequada.

Nós falamos com a atriz sobre cuidados com a pele como um auto-cuidado, se transformando em Marilyn Monroe para um filme que está para ser lançado e como ela está encontrando paz em meio à pandemia.

ALLURE: Qual é a sua de memória de beleza mais recente?

DE ARMAS: Ah meu Deus, eu lembro de usar esfoliantes caseiros e máscaras com minha mãe – nós inventamos usando açúcar e óleos. Eu deveria ter 9 ou 10 anos na época. Crescendo em Cuba, eu sempre estive dentro e fora da praia. Então eu tinha muito sol no meu rosto e as sardas apareciam.

Mas como uma adolescente, você não pensa muito sobre isso. Eu não tinha muitos produtos para aplicar também, porque em Cuba não é algo que normalmente se tem. Minha consciência sobre cuidar da minha pele e protegê-la aconteceu à medida que fui envelhecendo.

ALLURE: Como é a sua rotina de beleza hoje?

DE ARMAS: Eu aprendi à aproveitar o tempo [passava aplicando meus produtos] e desacelerar um pouco. Não era a minha prioridade. E parecia que eu passava muito tempo no banheiro! Mas agora, eu me certifico de lavar o rosto depois de acordar. Eu coloco todos os meus soros e protetor solar pela manhã.

E então à noite, se eu tiver colocado maquiagem naquele dia, eu tiro a maquiagem. Eu lavo o meu rosto de novo e coloco todos os soros mais o creme pros olhos… a coisa toda! Eu me tornei muito protetora com meus pequenos cremes. Então, de repente, eu me encontro comprando para todo mundo para que não toquem nos meus!

ALLURE: Você faz algo diferente quando está filmando ou tem uma sessão de fotos?

DE ARMAS: Eu tenho uma pele muito sensível então [pode ser] muito reativa à toda maquiagem que eu tenho que colocar todos os dias quando estou fotografando. No dia anterior, eu tento não fazer um tratamento facial ou uma esfoliação ou nenhuma loucura. Eu apenas deixo estar e faço minha rotina habitual. Eu tento não pensar sobre isso porque eu juro por Deus, se eu me estressar demais, eu fico espinha. Nunca falha.

ALLURE: Você fez parceria com La Mer. Você já se sentiu tentada à usar o concentrado por todo o seu corpo? Eu sentiria!

DE ARMAS: Quero dizer, eu não uso em todos os lugares – eu quero economizar cada gota! Eu sou uma grande fã dos produtos há um tempo depois que um maquiador amigo meu me deu um pouco de creme. Quanto mais você usa o concentrado, mais você sente [diferença na sua pele]. Eu trago comigo quando eu viajo, em todos climas e ambientes diferentes. Minha pele está menos reativa.

ALLURE: Você passou por uma grande transformação de cabelo e maquiagem para interpretar Marilyn Monroe em Blonde [que será lançado no próximo ano]. Como foi se ver como Marilyn pela primeira vez?

DE ARMAS: Eu chorei. Foi uma grande coisa pra mim. Foi um papel muito importante pra mim, um grande desafio, algo que eu estava me preparando há muito tempo – e finalmente sentar em uma cadeira e colocar uma peruca e maquiagem… foi muito especial. Eu me transformei completamente. Uma das coisas mais bonitas sobre o meu trabalho, eu acho que é se ver se transformando em outra pessoa.

ALLURE: Você já foi loira na vida real?

DE ARMAS: Eu fui – [mas] não loira como Marilyn. Em alguns pontos, ela era completamente platinada. Mas no começo, ela era mais uma loira dourada. [Para o filme] eu tive por volta de cinco perucas com comprimento e cores diferentes. Nós tivemos que fazer maquiagem para envelhecer porque isso durou muitos anos de sua vida.

ALLURE: Além da sua rotina de cuidados com a pele, de que outra forma você tem praticandoo o auto-cuidado durante a pandemia?

DE ARMAS: Claro que é impossível ir à um spa. Então você faz tudo o que pode para se sentir bem consigo mesmo, como tomar banhos quentes ou escutar música. Eu recentemente construí uma sala de meditação – é um espaço lindo para mim mesma e eu posso ir para lá [relaxar] ou ler. É uma sensação muito boa.

Fonte | Tradução: Equipe Ana de Armas Brasil

Ana de Armas concede entrevista à revista InStyle
postado por Ana de Armas Brasil

Sempre trabalhando! Ana de Armas foi anunciada como uma das novas parceiras da marca de produtos de beleza La Mer, e para promover sua parceria com a mesma, a atriz concedeu uma entrevista ao site da revista InStyle. Leia a matéria completa e confiram as primeiras imagens promocionais:

Se você já experimentou um produto La Mer antes, você entende o hype. Mas se ainda não, deixe a pele radiante de Ana de Armas falar tudo.

“Tenho a pele muito sensível, por isso é muito bom ter encontrado uma linha que realmente funciona para mim e acalma minha pele, ao mesmo tempo em que atua no antienvelhecimento e na hidratação”, ela compartilha com exclusividade com a InStyle.

Embora a atriz nascida em Cuba, que estrelará No Time to Die, possa ser a mais nova parceira da marca, ela se declara uma fã de longa data.

De Armas foi apresentada à linha há vários anos por uma amiga maquiadora que sempre mantinha os produtos em seu kit, e ela está viciada desde então. “Eu sou muito protetora com meus cremes, não quero que ninguém toque nisso”, ela brinca. “Eu vou saber se alguém colocar o dedo nisso!”

Entre o creme hidratante favorito da marca e adições mais recentes como o bálsamo de óleo corporal de renovação, La Mer tem uma variedade de produtos para escolher. No entanto, há um produto em particular no qual de Armas confia enquanto está em quarentena.

“De manhã lavo meu rosto e aplico o concentrado”, conta ela. “Estou usando há um bom tempo. Posso sentir, minha pele está realmente diferente – é gostosa e realmente radiante.”

A magia do último lançamento da La Mer está na fórmula do soro leve, que contém uma mistura brilhante do Miracle Broth, que ajuda a acalmar a vermelhidão e a sensibilidade, junto com o concentrado de chá de limão para deixar a pele mais brilhante. Todos juntos, os ingredientes atuam em cada tipo de pele para combater a secura, linhas finas e rugas, opacidade e tom e textura irregulares.

Fórmula à parte, a estrela acrescenta que o novo produto também lhe proporcionou uma boa economia de tempo, tanto pela manhã quanto à noite, pois pode funcionar como creme. “Você não precisa adicionar um hidratante por cima”, diz ela. “É realmente hidratante por si só.”

Com grande parte de Hollywood ainda seguindo as diretrizes de distanciamento social, de Armas compartilha que a aplicação regular de maquiagem não faz mais parte de sua rotina de beleza. Mas com La Mer para manter seu rosto radiante, ela não parece se importar com o tempo sem maquiagem. “É realmente bom começar a ver sua pele”, diz ela.

Fonte | Tradução: Equipe Ana de Armas Brasil

dg dg dg dg

CAMPANHAS > LA MER > IMAGENS PROMOCIONAIS

CANDIDS: Ana passeando pela Califórnia
postado por Carol

Nossa galeria está atualizada com fotos de Ana de Armas passeando pela Califórnia com Ben Affleck no mês de Julho. Confiram:

dg dg dg dg

CANDIDS > 2020 > 01.07 | Em Los Angeles, Califórnia

dg dg dg dg

CANDIDS > 2020 > 02.07 | Em Venice, Califórnia

dg dg dg dg

CANDIDS > 2020 > 03.07 | Em Brentwood, Califórnia

dg dg dg dg

CANDIDS > 2020 > 03.07 | Em Los Angeles, Califórnia

dg dg dg dg

CANDIDS > 2020 > 05.07 | Em Brentwood, Califórnia

“Tive uma conexão imediata com ela”, Wagner Moura fala sobre Ana em entrevista
postado por Ana de Armas Brasil

Durante a divulgação de seu mais recente projeto, “Sergio”, Wagner Moura contou como foi seu primeiro encontro com Ana de Armas. Obviamente, nossa equipe separou e traduziu esse pequeno trecho para vocês, leiam abaixo:

“A primeira vez que a conheci, nós almoçamos em Westwood. Tive uma conexão imediata com ela. Ela é uma mulher muito fundamentada. Tudo o que discutimos, tudo importa muito para ela também – representatividade. Ela é uma atriz maravilhosa. E muito divertida de sair.”

Fonte | Tradução: Equipe Ana de Armas Brasil

FOTOS: Ana em um protesto do movimento “Black Lives Matter”
postado por Carol

No mês de Junho desse ano, Ana foi fotografada por fãs em um protesto à favor da causa Black Lives Matter em Venice Beach, na Califórnia, junto de Ben Affleck. Confira as fotos na nossa galeria:

dg dg dg dg

OUTROS > Fotos de fãs > Tiradas por fãs