Seja bem-vindo ao Ana de Armas Brasil, sua primeira, maior e melhor fonte brasileira sobre a atriz Ana de Armas. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu acima e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Esperamos que goste e volte sempre!
“Foi um bom exercício para o meu ego”, Ana fala sobre sua mudança para os Estados Unidos em entrevista à W Magazine
postado por Ana de Armas Brasil

Em 2017, muitos públicos ficaram animados para sequências. Mas quando a sequência é lançada há quase quatro décadas depois da original, isso acaba se tornando um clássico culto, bem, isso é interessante para se falar sobre.

Um grande caso é Blade Runner 2019, que estreia nessa sexta-feira, 35 anos depois do primeiro filme ser lançado. E possivelmente ninguém está mais animado do que Ana de Armas, a atriz cubana de 29 anos de idade, que interpreta a protagonista feminina do filme. “É mágico o que você vê na tela”, ela diz. “É futurístico, um suspense com ação, mas então, na outra mão, você tem o personagem do [diretor] Denis Villeneuve. A intimidade desses personagens é uma bonita combinação e é relevante para o filme. É realmente especial”.

No filme, Ana interpreta Joi, o par romântico do agente K, interpretado por Ryan Gosling, uma parte completa que funciona como o coração do filme – e a atriz admite que originalmente não estava no projeto. “No início, tudo o que eu ouvi [de meus empresários] foi: ‘Tem uma audição, nós vamos encaixá-la e você a fará agora’. Então ‘encaixá-la’ significa que eu não estava na lista”, ela diz com uma risada. “Mas eu estou grata que eles me encaixaram”.

A atriz não é estranha para a arte de bons encaixes. Crescendo em Havana, de Armas descobriu sua paixão por atuação muito jovem e rapidamente desencadeou sua carreira para essa área. “Não teve um dia específico ou algum ator inspirador. Nada assim. Mas eu lembro que eu assistiria a filmes e se tivesse uma cena que eu gostasse, eu corria do sofá para um espelho e repetia as falas diversas vezes. Eu ficava muito emocional.”, Ela relembra. “Quando eu tinha 12 anos, eu fiquei sabendo sobre a Escola Nacional de Teatro e disse para meus pais: ‘Isso é o que eu quero fazer”, e assim foi”.

Depois de se formar na Escola Nacional de Teatro de Cuba, de Armas ficou em Cuba durante alguns anos, atuando em filmes locais, antes de decidir se mudar para Madrid em busca de perseguir sua carreira artística. “Eu sentia que eu queria mais”, ela disse. “Eu sempre fui muito ambiciosa, e eu sempre soube que eu queria algo a mais. Cuba foi um bom início, mas eu sabia que eu não desenvolveria uma carreira real e eu queria ficar perto de cineastas que eu gostaria de trabalhar. Eu me mudei para Madrid com 200 euros na minha carteira e desesperada para saber o que iria acontecer. Claro, eu não sabia que 200 euros eram nada, porque eem Cuba, 200 euros era muito e foi o dinheiro que eu guardei dos meus filmes.”

Nas primeiras semanas, de Armas conseguiu um papel em uma nova série d tv chamada ‘El Internado’, que foi um grande sucesso, a tornando um nome conhecido na Espanha. Mas, mais uma vez, ela sentia que precisava de mais. “Era muito excitante, mas eu cheguei ao ponto em que pensei: ‘Eu quero mais que isso”, ela disse. “Eu queria algo desafiador”.

De Armas foi escalada em seu primeiro filme de Hollywood, o drama esportivo ‘Hands of Stone’, em 2016 e oficialmente se mudou para Los Angeles, mesmo não conhecendo nenhuma pessoa – e nem inglês. “Eu fui para aulas durante três ou quatro meses, eu não conseguia fazer nada”, ela disse. “Foi um bom exercício para o meu ego depois de oito anos na Espanha com uma ótima carreira. Quando você se muda para os Estados Unidos, qualquer coisa que você já tenha feito, não conta. Foi refrescante, para ser honesta. Quando você faz uma série de TV, sua vida realmente muda e todo mundo te conhece e sabe para onde você vai. Vir para cá [EUA] e ficar em uma sala de aula, onde todo mundo está aprendendo a usar passado simples foi ótimo. Eu ficava com meu caderno fazendo anotações e lições de casa”.

Depois de meses intensos e aulas integrais, Ana sentiu-se pronta para ir à audições – com nenhuma estipulação. “Eu disse [para minha equipe]: ‘Eu não quero audição para Maria ou Joana. Eu quero auditar para qualquer coisa que esteja fazendo audições’. Eu não queria qualquer papel. Eu me considero uma atriz. É estranho quando as pessoas dizem: ‘Você é uma atriz cubana’ ou ‘Você é uma atriz espanhola’. Eles colocam uma coisa em frente do que você é, mas eu sou somente uma atriz. Eu verei o que eu posso fazer, mas não me coloque em um lugar que você não sabe ainda. Não opine meu trabalho se você ainda não o viu. Eu apenas queria uma chance. Eu queria saber que eu estava correndo atrás dos mesmos objetivos que outras atrizes que eu amo e admiro corriam. Todo mundo merece a oportunidade de brigar por aquilo que almejam.”

Com Blade Runner 2049, Armas atuou apenas ao lado de Gosling, Harrison Ford e Jared Leto, depois de severas audições com o diretor Villeneuve. “Eu fiquei muito confortável com Denis”, ela disse. ” Ele é muito doce, uma ótima pessoa. Ele ama os atores porque ele entende o quão difícil é ser um ator. Com todos os meus nervos. Eu nunca semi que meu talento ou capacidade de performance fosse uma questão. Ele [diretor] estava procurando a pessoa certa para o trabalho.”

A audição dela com Gosling, no entanto, foi outra história. “Eu estava ficando louca, tipo, sério? A última coisa que eu preciso é conhecer Ryan Gosling hoje”, ela lembra. “Mas ele foi tão legal. Nos demos muito bem no set. Algumas falas nós nem conseguíamos terminar porque estávamos rindo”.

O elenco gravou o filme em Budapeste, em cinco meses, que acarretou em Ana treinando treinos físicos.”Não foi um papel físico, mas eu sabia que nos teríamos cinco meses cheios de intensidade, cenas emocionais, e eu queria me sentir forte, saudável e ter uma disciplina e rotina”, ela diz. “Isso foi algo mais pessoal do que algo que o personagem realmente necessitaria”.

Com o papel, Ana de Armas traz uma enorme ligação de humanidade e emoção para o filme. “Denis queria que ela [Joi] fosse muito real, muito emocional e muito vulnerável”, ela disse. “Nós queremos que o público esqueça o óbvio. Devido a isso, você tem que ver todas as coisas que te faz humano, como paixão e amor”.

Quanto ao filme em si, cujo o enredo foi mantido em segredo até a grande estréia na sexta-feira? Aqui está o que você precisa saber: é visualmente lindo, completamente imersivo e fez Ana de Armas chorar. “Eu tive que tirar 25 minutos depois que eu o assisti, com uma caixa de Kleenex, apenas absorvendo.”

Fonte | Tradução – Yasmim

dg dg dg dg

Photoshoots > 2017 > W Magazine