Categoria: Notícias

“Eu trabalhei no sotaque por um ano inteiro”, Ana fala sobre “Blonde”, novos projetos e mais em entrevista

MARAVILHOSA! Ana de Armas será a capa da edição de novembro da C Magazine. Além do ensaio exclusivo, a atriz também concedeu uma entrevista à revista. Confira a matéria completa traduzida:

ANA DE ARMAS ESTÁ CONQUISTANDO HOLLYWOOD EM TEMPO RECORDE

Com o último episódio de 007 e a biopic de Marilyn Monroe da Netflix no horizonte, a estrela nascida em Havana está bem no seu caminho em se tornar um nome familiar.

“Eu nunca pensei que eu seria uma Bond Girl. Eu nunca pensei que que seria a Marilyn Monroe,” nos conta a atriz de 31 anos Ana De Armas. “Sequer pensar que eu iria trabalhar com alguma coisa pra início de conversa era forçar. Mas ao mesmo tempo, eu acho que meio que sabia [que poderia acontecer] porque é por isso que me mudei para L.A. Alguma coisa dentro de mim sabia que eu seria capaz de fazer.” A prova desse conceito não demorou muito para se manifestar. Há apenas 5 anos que de Armas se mudou para Hollywood de Madrid – na época, ela mal falava Inglês.

“Tudo sobre interpretar Marilyn Monroe foi empolgante e inspirador e aterrorizante” confessou De Armas.

Ela já teve performances significantes que ajudaram a impulsionar sua carreira como em War Dogs (2016) e Blade Runner 2049 (2017), mas no curto tempo, de Armas pairou ao estrelato. Primeiro em Knives Out que estreia do outono, um mistério de assassinato estrelando Daniel Craig, Chris Evans e Toni Collette, e dirigido por Rian Johnson de Star Wars: O Último Jedi. Ela logo será mandada para Nova Orleans para filmar o suspense erótico Deep Water de Adrian Lyne, baseado num romance por Patricia Highsmith, junto a Ben Affleck. Abril trará a estreia de No Time To Die, também conhecido como Bond 25, onde ela interpreta, sim, a nova Bond girl. Também em 2020, ela aparecerá como uma das estrelas mais icônicas da América na biopic da Netflix de Marilyn Monroe: Blonde. baseado no romance de Joyce Carol Oates.

De Armas cresceu em Havana. Seu pai, Ramon, trabalhava como professor e estudou filosofia na Rússia, e sua mãe, também nomeada Ana, trabalhou com recursos humanos; seu irmão, Javier, é fotógrafo. Quando adolescente, ela decidiu que queria ser atriz, e com 14 anos começou a estudar na Escola Nacional de Teatro de Cuba. Depois de estrelar em poucas produções Cubanas-Espanholas, ela deixou seu país natal com 18 anos para Madrid com apenas 200 euros. Ela foi quase imediatamente elencada para uma série televisiva, fez vários filmes espanhóis, e então, com 25, de Armas decidiu que era hora de arrumar as malas e partir para Los Angeles.

“Eu não estava ficando entediada, mas eu queria algo novo e diferente. Eu queria inspiração em outro lugar,” Ela diz. “Quando eu tenho isso em minha cabeça, não há nada que possa me parar. Mas eu nunca pensei que trabalharia tanto assim.”

Apesar de sua determinação, em seus primeiros dias na Califórnia, de Armas mal conseguia se comunicar com seus agentes e empresários, imaginem então ter conversas brilhantes e animadas com produtores de filme e diretores de elenco. “É claro, você consegue imaginar como aqueles eram,” de Armas se recorda secamente. Em certo momento, ela diz que o diretor de elenco falou para ela, “Bom, nos falamos de novo em alguns anos.” Tradução: Eles poderiam se conectar de novo quando ela falasse Inglês melhor. “E eu respondi, ‘Não, nos falaremos em dois meses.’ E ele começou a rir e disse, ‘Você está doida, você não consegue.’ Mas em dois meses eu já estava fazendo audições para ótimos filmes.”

“Eu estou boa quando estou trabalhando. É onde me sinto mais feliz”, disse Ana de Armas.

Isso é tudo que de Armas queria: “Nem sempre pegar os papéis, mas apenas poder estar na sala. É isso que me anima. Na verdade ter a oportunidade de estar na sala com diretores que eu realmente, realmente quero trabalhar. Eu estava dizendo coisas que eu nem sabia o que estava dizendo mas eu estava ali. Era isto. Sempre fui pontual, e estava na sala fazendo a audição.”

De Armas reconhece que os processos de audição são, pra colocar suavemente, “estranhos,” mas ela gosta. É uma conversa. “É um dia particular por dois minutos,” ela adiciona. “Eles não sabem o que está acontecendo na sua vida. Você talvez esteja triste ou feliz, doente ou com febre. Eu até já fiz uma audição com o meu cachorro na sala porque eu iria direto ao aeroporto. Mas eu apenas gosto de ir na sala para que eu possa ser uma pessoa.”

Talvez o molho secreto de de Armas não seja sua determinação, mas seu autêntico caráter depreciativo. “Eu não sou boa em entrevistas,” ela diz. “Eu não sou boa em mídias sociais.” (Na verdade, ela tem 1.5 milhões de seguidores no Instagram, mas quem está contando?) “Eu sou boa no set, sou boa quando estou trabalhando. É quando me sinto mais feliz, quando eu estudo e me preparo. O ramo de filmes e a indústria não são onde minhas forças estão.”

Estudo e preparação foram integrais para a produção de Blonde, que também contém Adrien Brody (como Arthur Miller) e Bobby Cannavale (como Joe DiMaggio). “Eu trabalhei no sotaque por um ano inteiro,” de Armas diz. “Eu tinha a responsabilidade de retratar ela e a vida dela do melhor jeito possível. Tudo sobre isso foi estressante, e tudo sobre isso foi animador e inspirador e aterrorizante.” Gravar cenas em Malibu com a peruca e maquiagem, a semelhança de de Armas com a estrela bombshell dos anos 50 que estrelou em Some Like it Hot é assombrosa, uma completa transformação para o papel e 180º de Blade Runner 2049.

Pulando das filmagens de Blonde para Bond foi “uma transição muito estranha,” ela adiciona. “É tão diferente… Eu nunca fiz um filme de ação, e eu devo ter subestimado o que esses tipos de filme são, mas eu devo dizer que estou muito impressionada,” de Armas diz. “Cara, é muito difícil. O treinamento, ser autêntica a esse tipo de filme, ao tom. Tudo demora tanto, toma a sua energia, quando você está esperando, tudo cai. E de repente você está no set e tem que começar a matar pessoas ou dar uma porrada nelas. E é com salto alto!”

Ajuda ter os diálogos escritos por Phoebe Waller-Bridge, que foi chamada para amplificar o filme. “Eu fui sortuda, todas as minhas cenas foram escritas por Phoebe” de Armas diz. “Meu diálogo e a energia da minha personagem realmente se concluem como Phoebe se conclui. A mulher que estou interpretando é diferente [das antigas Bond Girls]. Tem alguma animação nisso. É refrescante e animador.”

Sobre a visita ao Estúdio Pinewood perto de Londres numa tour com o diretor de Bond, Cary Fukunaga, de Armas diz, “Eu entrei no escritório e Cary estava tendo uma reunião com os roteiristas e Phoebe estava na reunião. Eu nunca corei tanto. Eu mal conseguia falar. Ru apenas fui ‘Ai meu Deus, Ai meu Deus, eu te amo, eu te amo, eu quero ser sua amiga!'” Elas ainda não são BFFs, porém. “Quem sabe um dia,” de Armas diz rindo.

Outro momento ‘me belisque!’ seria trabalhar com o famoso diretor espanhol Pedro Almodóvar, que ela ainda não conheceu. “Isso seria um sonho,” ela diz. “Ele é uma lenda. Ele é incrível. Agora eu sou uma Bond girl, mas eu adoraria ser uma Almodóvar girl. Eu faria uma audição pra ele com certeza.”

A realidade é, como a maioria das histórias de sucesso de Hollywood existentes, a sua ambição geralmente atrapalha em todo o resto. “Estou sentindo saudades dos meus amigos e minha família e minha casa, mas a vida continua, e eu quero ver que oportunidades estão por vir.”

Fonte | Tradução – Equipe Ana de Armas Brasil

dg dg dg dg

SCANS > 2019 > C MAGAZINE

dg dg dg dg

PHOTOSHOOTS > 2019 > C MAGAZINE

BLONDE: Ana é fotografada nos bastidores do filme

Conforme postamos meses atrás, começaram a surgir rumores de que Ana interpretaria Marilyn Monroe na cinebiografia “Blonde” – que será produzido pela Netflix. E, para felicidade de todos os fãs da atriz cubana, de Armas foi confirmada como parte do elenco. E não para por ai: nossa amada também foi fotografada diversas vezes caracterizada nos bastidores do longa, vejam todas fotos em nossa galeria clicando nas miniaturas abaixo:

dg dg dg dg

CANDIDS > 2019 > 20.08 | NO SET DE ‘BLONDE’ EM LOS ANGELES

dg dg dg dg

CANDIDS > 2019 > 23.08 | GRAVANDO ‘BLONDE’ EM LOS ANGELES

dg dg dg dg

CANDIDS > 2019 > 29.08 | NOS BASTIDORES DE ‘BLONDE’ EM LOS ANGELES

dg dg dg dg

CANDIDS > 2019 > 16.09 | NO SET DE ‘BLONDE’ EM LOS ANGELES, CALIFÓRNIA

FOTOS E VÍDEOS: Ana divulga ‘Knives Out’ no Festival Internacional de Cinema de Toronto

No dia 07 de setembro, Ana deu uma pausa nas gravações de “Blonde” e desembarcou no Canadá para divulgar um de seus novos projetos, “Knives Out”, no Festival Internacional de Cinema de Toronto. Obviamente, nossa equipe reuniu as principais coisas nessa postagem, confiram:

dg dg dg dg

EVENTOS E PREMIAÇÕES > 2019 > 07.09 | VARIETY STUDIO PRESENTED BY AT&T

dg dg dg dg

PHOTOSHOOTS > 2019

dg dg dg dg

PREMIERES > 2019 > 07.09 | PREMIERE DE ‘KNIVES OUT’ NO TIFF

dg dg dg dg

EVENTOS > 2019 > 07.09 | FESTA ORGANIZADA PELA ENTERTAINMENT WEEKLY

dg dg dg dg

EVENTOS > 2019 > 07.09 | EVENTO PARA COMEMORAR A PREMIERE DE ‘KNIVES OUT’ EM TORONTO

Continue reading

YESTERDAY: Personagem de Ana é retirada do filme; saiba o motivo

Yesterday, o novo filme de Danny Boyle estrelando Himesh Patel e Lily James, estreou a poucos dias atrás ao redor do mundo. Apesar de não perfeito, Yesterday é certamente uma “agradável tarde repleta de músicas adoradas dos Beatles”.

Não iremos analisar esse filme como tradicionalmente fazemos; ao invés, iremos focar em decisões específicas que foram tomadas ao decidir o corte final de Yesterday. Originalmente, o filme tinha Ana de Armas; sua personagem, Roxanne, seria um obstáculo na história de amor da personagem de Lily James, Ellie, e o personagem de Himesh Patel, Jack. Ana de Armas até pode ser vista em alguns dos trailers finais do filme.

Danny Boyle, diretor de Yesterday, explicou sua decisão para o corte.

“Foi um corte muito traumático, porque ela foi brilhante no papel. Eu digo realmente brilhante. E [isso] se tornou o problema … Eu penso que o público gosta da história [sobre Ellie e Jack] e segue assim, e funciona. O que nós fizemos originalmente era, não quero descrever muito, mas tinha Ana de Armas como um fator de dificuldade quando ele chegou em L.A. pela primeira vez. E eu acho que o público não gostou do fato que os olhos dele sequer vaguearam. Porque então algumas pessoas iriam tipo ‘Oh, ele realmente não a merece. Ele não merece a Lily’. Você sabe, é uma dessas coisas onde é umas das nossas cenas favoritas do filme, mas tivemos que o cortar em favor do inteiro.”

Então, da nossa algum modo visão objetiva depois de assistir o filme, foi cortar a personagem a decisão certa?

(Antes de sequer tentarmos responder a isso, temos que mencionar que, obviamente, nós não vimos a versão de Yesterday com Roxanne ainda nele. Então é impossível fazer qualquer conclusão com absuluta certeza. Também, SPOILERS de Yesterday serão citados abaixo).

Ainda assim, tendo isso em mente, nós acreditamos que cortar a personagem, de fato, foi uma decisão muito esperta que beneficiou o filme bastante. Isso se dá por duas principais razões.

Um, cortando a personagem de um modo quebra a tradicional narrativa de uma comédia romântica.

Roxanne teria servido como uma ferramente pro enredo. Boyle basicamente confirma acima. Ela seria outro obstáculo na eventual relação de Jack e Lily and não serviria pra muita coisa a mais. Provavelmente, ela teria colocado uma representatividade mais profunda na vida de Jack depois que ele se torna rico e famoso e super as complicações e vícios que vem com a sua vida em L.A. Entretanto, cortando Roxanne, a história continua levemente mais precisa e focada em duas coisas: a geral história de que os ‘Beatles não existem’ e o relacionamento entre Jack e Ellie. Uma comédia romântica tradicional teria muitas mais ferramentas de contar história jogadas no meio desses dois pontos de foco. Roxanne teria provavelmente sido uma dessas ferramentas. E Yesterday quer ser mais do que uma comédia romântica tradicional.

Cortando a personagem faz a história entre Jack e Ellie mais envolvente e verdadeira.

Yesterday, enquanto não sem defeitos, faz uma coisa muito bem – a história de amor entre Jack e Ellie. É bela e verdadeira; é complicada e emocionante e incerta – assim como um relacionamento como o deles teria sido na vida real. Tem bastante profundidade a ser explorada como é. Adicionando a personagem nesse triângulo amoroso não adicionaria nada nessa relação, na verdade tiraria. Tiraria o foco e a doçura dos personagens quando estão um com o outro. E esse foco e doçura é a melhor coisa sobre Yesterday.

Tem algo que o filme perde devido ao corte?

Um pequeno erro na narrativa ocorre por causa do corte. Tente nos acompanhar porque isso é um pouco complicado. Uma pessoa pode ver os trailers que Roxanne está com Jack no The Late Late Show. No filme, essa cena foi totalmente cortada, Eles fazem um ótimo ponto que o The Late Late Show se passa numa sexta e que a o Melhor Marketing de Encontros no Encontro se passa no sábado, por causa do corte, o encontro é a primeira coisa mostrada quando Jack retorna de Liverpool para L.A.

Isso teria sido aceitável, um telespectador teria simplesmente pressuposto que eles não mostraram a entrevista feita na sexta, mas então Jack tem um sonho sobre os Beatles aparecendo na tal entrevista com James Corden. Esse sonho aparece depois do Melhor Marketing de Encontros no Encontro. Porque a entrevista original foi cortada (porque Roxanne estava nela, como podemos ver nos rtailers), mas então eles decidiram deixar o sonho e colocar ele depois do encontro, parece como se o encontro vem depois da entrevista, mesmo que seja especificamente mencionado pelo empresário de Jack que a entrevista ocorreu primeiro.

É um pequeno detalhe, um pequeno erro, e um erro que não incomodaria ninguém que não percebesse. Mas nós percebemos, mesmo antes de sabermos que outra personagem supostamente deveria estar naquela narrativa. E isso nos incomodou, um pouco.

Mas não tanto que nós queremos Roxanne no filme.

Yesterday é bom do jeito que é. Não precisou de outro personagem – a história, especialmente a porção amorosa dela, se desenrola bem e os telespectadores entendem a profundeza emocional dela. Mais teria sido desnecessário e, claramente colocado, um clichê. O relacionamento de Jack e Ellie é ótima do jeito que é no corte final. Então, para aqueles fãs ‘de morrer’ da Ana de Armas por aí nós temos isso para dizer:

Deixe dessa maneira.

Fonte | Tradução – Equipe Ana de Armas Brasil

Ana de Armas pode interpretar Marilyn Monroe em “Blonde”

A atriz Ana de Armas, conhecida por Blade Runner 2049, pode interpretar Marilyn Monroe na cinebiografia Blonde. De acordo com o Collider, a negociação ainda está em estágios iniciais.

O projeto de Andrew Dominik, que fará a direção do longa, está em desenvolvimento já há muitos anos. Nesse tempo, o papel da icônica atriz de Hollywood já passou pelas mãos de Naomi Watts e Jessica Chastain.

O filme contará a história de Norma Jeane Baker (verdadeiro nome da atriz) da infância até a sua morte aos 36 anos. Blonde é uma adaptação do livro homônimo de Joyce Carol Oates, que já deu origem, em 2001, a uma minissérie de TV sobre Marilyn protagonizada por Poppy Montgomery.

Brad Pitt e Dede Gardner assinam a produção pela Plan B. Não há uma data definida para o início das filmagens.

Fonte

Ana de Armas é adicionada no elenco de “Wasp Network”

A atriz cubana Ana de Armas (Blade Runner 2049) será a co-star de Olivier Assayas em Wasp Network, o drama de espionagem baseado no livro de Fernando Morais, Os últimos soldados da Guerra Fria. De Armas junta-se aos já anunciados membros do elenco Edgar Ramírez, Penélope Cruz, Pedro Pascal, Wagner Moura e Gael García Bernal.

O filme, que será gravado em Havana no final deste mês, conta a verdadeira história de espiões cubanos em território americano durante os anos 90, revelando os tentáculos de uma rede terrorista baseada na Flórida com ramificações na América Central e com o consentimento do governo dos EUA.

Rodrigo Teixeira, da RT Features, produtora por trás de Call Me By Your Name, e Charles Gillibert, da CG Cinema, estão produzindo o projeto. Os produtores executivos são Lourenço Sant’Anna e Sophie Mas, da RT.

A Orange Studios está lidando com direitos internacionais, enquanto a CAA Media Finance está gerenciando os direitos nos EUA.

Fonte | Tradução – Equipe Ana de Armas Brasil