Ana de Armas Brasil is a non-profit fansite, completely unofficial, and has no affiliation with herself or anyone around her. All media are copyright to their respective owners, no copyright infringement is ever intended. If there is anything on this site you'd like us to take down, please contact us.

Ana de Armas e Lashana Lynch são os destaques da nova edição da revista The Hollywood Reporter, onde falaram sobre seus papeis em No Time to Die, novo filme da franquia 007. Confiram a matéria traduzida, fotos e vídeos abaixo:

Em Londres, com as atrizes de ‘No Time to Die’, parte da lista de talentos da nova geração da The Hollywood Reporter, elas se abrem ao trazer James Bond na era do #MeToo: “Há uma evolução.”

Quando Ana de Armas chegou pela primeira vez no Pinewood Studios de Londres para filmar No Time to Die, a 25ª instalação da franquia James Bond, ela estava um pouco deslumbrada — apesar de não estar quando apresentada ao protagonista Daniel Craig. Aconteceu quando ela estava indo a uma reunião com o diretor Cary Joji Fukunaga, que estava conversando com Phoebe Waller-Bridge, a criadora britânica de Fleabag e Killing Eve que foi contratada para trazer uma nova perspectiva feminina (e algum humor) para o roteiro do filme.

“Eu vi Phoebe, e eu apenas corei — eu fique vermelha como um tomate,” diz de Armas, 31. “Eu estava tipo, ‘Ai meu Deus, posso te abraçar? Eu quero ser sua amiga.'”

Nunca isso foi tão crítico para um filme Bond. Quando for lançado em 10 de abril, No Time to Die com orçamento de 250 milhões de dólares vai ser a primeira entrada da série num mundo de #MeToo e Time’s Up. E enquanto a franquia de $7 bilhões talvez seja pra sempre mais lembrada pelo agente mulherengo que carrega o nome da franquia, o diretor Fukunaga (True Detective, Beasts of No Nation) e produtora Barbara Broccoli trabalharam duro com Lynch e de Armas para criar um novo tipo de personagem feminino para Bond que são mais completamente realizadas que as “Bond girls” dos filmes anteriores.

“É bastante óbvio que há uma evolução no fato que Lashana é uma das personagens principais no filme e ‘veste as calças’ — literalmente. Eu uso o vestido. Ela ‘veste as calças’,” diz de Armas, encolhida em uma cadeira no lobby do Charlotte Street Hotel em Londres.

Ela e Lynch, conversando sobre suas trajetórias de carreira para a edição anual da Nova Geração do THR, estão ambas no meio do seu ano de revelação. Em adição a Bond, de Armas interpreta a protagonista em Knives Out de Rian Johnson (27 de novembro) e irá interpretar Marilyn Monroe em Blonde da Netflix, previsto para 2020.

Agora elas estão a uma semana de terminar as gravações que demoraram épicos seis meses de Bond, e ambas estão exaustas. De Armas coloca dois pacotes de açúcar em seu café. “Eu uso muito acúcar,” diz a atriz Cubana-Espanhola pedindo desculpas ao abrir outro pacote. “Eu geralmente coloco leite condensado nele — nós chamamos de café bon-bon.”

Bond girls tem uma história complicada. Por décadas, elas tiveram a reputação de ser um colírio para os olhos, serem seduzidas por Bond e então descartadas. Em Goldfinger de 1964, Pussy Galore (Honor Blackman) diz repetidamente que não está interessada, mas Bond a joga no chão e a beija; em From Russia With Love (1963), Bond tenta arrancar uma confissão de Tatiana Romanova (Daniela Bianchi); e em Diamonds Are Forever de 1971, Bond tira o top do bikini de Marie (Denise Perrier) e a estrangula com ele. Filmes recentes tem trago personagens femininas mais completamente realizadas à série, incluindo M de Judi Dench, Moneypenny de Naomie Harris e Madeleine Swann de Léa Seydoux, as duas últimas citadas retornando em No Time to Die. Ainda assim, ambas de Armas e Lynch pausaram antes de assinar contrato.

“[As mulheres] foram sexualizadas anteriormente, eram um esteriótipo, o tipo de mulher que sempre vai estar em perigo e esperando para ser resgatada por Bond,” diz de Armas.
De Armas nota que trabalhou duro para evitar ter papéis estereotipados. Depois de cursar na Escola de Teatro Nacional de Cuba, ela se mudou para Espanha com 18. “Literalmente duas semanas depois que me mudei, eu fui elencada como uma das protagonistas de uma nova série televisiva que se tornou tipo a série televisiva de mais sucesso pelos próximos três anos,” ela diz sobre El Internado, um drama que se passa num internato. Mas após alguns anos em Madrid, ela se sentiu ultrapassada — ela tinha 22 interpretando papéis de 16. Ela se mudou para Los Angeles, onde seu colega de trabalho em Hands of Stone, Édgar Ramírez a apresentou para seu agente.

O problema era, ela não falava Inglês. Ela se encontrou no CAA, sentada com “uma equipe inteira que eu realmente não conseguia me comunicar,” ela diz. Ela ainda conseguiu um grande filme de terror, Knock Knock com Keanu Reeves, sem falar a língua. “Eu aprendi foneticamente,” ela diz. “Eu não tinha certeza do que eu estava dizendo.” Ela rapidamente se matriculou em aulas de Inglês e, assim que conseguia falar algumas palavras, ligou para sua equipe com um mandato — ela não queria ir atrás de papéis específicos para Latinos: “Eu disse, ‘Eu não quero fazer audições para Maria, Juana e Lola e todas essas coisas. Eu quero fazer audições para as mesmas partes que todos estão fazendo audições.'”

Ela conseguiu papel em War Dogs com Miles Teller e Jonah Hill e Overdrive com Scott Eastwood. O papel em Blade Runner 2049 de 2017 como interesse amoroso de Ryan Gosling deveria ter sido sua revelação, mas o filme teve um desempenho abaixo do esperado. “Eu acho que fiquei em casa fazendo nada por quase um ano literalmente,” ela diz. O pagamento pelo menos permitiu que ela comprasse sua primeira ostentação, uma casa em Cuba, que ela ainda visita regularmente.

Quando os agentes falaram pra ela sobre um papel em Knives Out, uma comédia de mistério de Johnson, ela ficou desencorajada com a descrição “cuidadora, bonita e latina” e decidiu passar até de fazer a audição. “Eu fiquei tipo, ‘Latina de novo, sério? Não! Não vou fazer isso.'” Ela apenas concordou em fazer parte quando eles a enviaram o script e ela percebeu que o papel era o coração do filme, a bondosa cuidadora com segredos próprios que é levada no meio de um drama familiar. “Ela obviamente tem tremendas habilidades como atriz ,” diz Johnson, que a elencou, “mas aqueles olhos, cara, você apenas olha para aqueles olhos e imediatamente está do lado dela.” (O filme contém seu colega de elenco de Bond, Craig, como também Toni Collette, Chris Evans e Michael Shannon).

Foi a produtora de Bond, Broccoli, que revisou a franquia com seu meio-irmão Michael G. Wilson desde 1995, que pensou em de Armas para No Time to Die. As duas se conheceram cinco anos atrás, quando de Armas, ainda nova em L.A., foi levada à Soho House pela produtora de Knock Knock, Colleen Camp. Ela apresentou a atriz à Broccoli, que estava lá com Sam Mendes de Spectre. “Nós nos encontramos brevemente porque eu não conseguia dizer nada [em Inglês],” diz de Armas. “Mas eu acho que Barbara nunca esqueceu aquele encontro.” quando de Armas terminou a gravação de Knives Out, ela diz que recebeu uma ligação de Fukunaga, que disse a ela que partes do filme de Bond seriam gravadas em Cuba e “ele queria escrever algo para mim.”

Ser parte de uma das maiores franquias cinematográficas na história do cinema — e uma das mais discretas — trouxe desafios. Rumores vazaram, tanto verdadeiros como falsos (por exemplo, de Armas diz que rumores que foi contratado um coach de intimidade para suas cenas com Craig são falsos). Tudo que as atrizes falam sobre o filme viram manchetes — e elas não podem falar muito. No lobby do Charlotte Street Hotel, de Armas começa a falar sobre Paloma, e então fica nervosa. “Eu não sei quanto posso lhe contar sobre ela,” ela diz. Após cinco meses, apenas os nomes de suas personagens forma oficialmente confirmadas, apesar de quando pressionadas, ambas atrizes divulgam um pouco mais do que já era previamente conhecido.

“[Paloma] é uma personagem que é muito irresponsável,” diz de Armas. “Ela tem essa animação de alguém que está empolgada por estar em missão, mas ela brinca com essa ambiguidade — você realmente não sabe se ela é realmente treinada e a parceira preparada para Bond.” Claro, de Armas está correndo por ai de belos vestido e saltos altos (“Ninguém pode te treinar ou te preparar para aquilo,” ela diz), mas adiciona que “cérebro e aparência são iguais dessa vez. Ela é muito inteligente. Ela ajuda Bond a passar por certas coisas que ele não conseguiria sozinho.”

Por enquanto, ambas atrizes continuam ocupadas até elas irem para a tour mundial promocional na estreia do filme.

A biopic de Marilyn Monroe, Blonde, de De Armas, de Plan B e Netflix, ainda não tem data de estreia. “Não é o que eu acho que as pessoas acham ou já viram de Marilyn,” ela diz. “É um lado bem profundo, cru, escuro da mesma história que achamos que conhecemos — atrás dos sorrisos e do glamour.” Ela vai direto do set de Bond para Nova Orleans para filmar o suspense erótico da New Regency, Deep Water, com Ben Affleck. Ela diz, com um sorriso distorcido, “Então talvez eu durma ano que vem, algum dia.”

Fonte | Tradução – Equipe Ana de Armas Brasil

dg dg dg dg

SCANS > 2019 > THE HOLLYWOOD REPORTER

dg dg dg dg

PHOTOSHOOTS > 2019 > THE HOLLYWOOD REPORTER

Ana de Armas Brasil is a non-profit fansite, completely unofficial, and has no affiliation with Natalie Dormer herself or anyone around her. All media are copyright to their respective owners, no copyright infringement is ever intended. If there is anything on this site you'd like us to take down, please contact us.